quarta-feira, 13 de março de 2019

Paleontologia e Geologia invadem 24º Fim de Semana no Museu

Cavernas, fósseis e minerais serão explorados no tradicional evento que acontece nos próximos dias 16 e 17

Por: Graziela França – jornalista colaboradora

Os setores de Geologia e Paleontologia do Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) convidam o público a entrar no mundo das cavernas, fósseis e minerais na 24ª edição do Fim de Semana no Museu, que acontece neste sábado (16) e domingo (17), na Sede do MHN.

A primeira edição do ano deste já tradicional evento do MHN vem acompanhada de uma programação gratuita e repleta de atividades. Os participantes poderão aprender mais sobre as duas áreas- Paleontologia e Geologia-, enquanto também desfrutam de momentos de lazer.

“Esta edição tem como objetivo levar para a sociedade um pouco do conhecimento sobre cavernas, geologia e paleontologia. A programação conta com palestras, oficinas, exposições e jogos infantis, além de atrações culturais para todas as idades”, contou Lucas Augusto, estagiário do setor de Paleontologia.
O Fim de Semana no Museu acontece na sede do MHN, localizado na Avenida Amazonas, no Prado (Praça da Faculdade). As atividades acontecem das 9h às 12h e das 14h às 17h.
Serviço
O quê: 24° Fim de Semana no Museu
Quando: 16 e 17 de março
Horário: das 9h às 12h; 14h às 17h
Local: Av. Amazonas, Prado (Praça da Faculdade)




segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Dia de Darwin leva atividades recreativas aos visitantes do MHN

Evento realizado pelo Grupo de Estudos sobre Evolução Biológica encerrou no último sábado (9)

Por: Graziela França e Gabriela Vieira – jornalista colaboradora e estudante de Jornalismo 


Um dia de diversão e conhecimento levou visitantes ao Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), no último sábado (9). As diversas atividades recreativas encerraram o Dia de Darwin, evento promovido pelo Grupo de Estudos sobre Evolução Biológica (Geseb).

A professora Cristina Viana foi uma das visitantes do evento. Ela e sua filha já conheciam o MHN, mas a temática despertou o interesse em realizar uma nova visita. “Estou achando muito interessante. Já trouxe minha filha no Fim de Semana no Museu e hoje aproveitei que era do Darwin e resolvi trazer novamente. Eu achei bom que teve atividade para os pesquisadores na quinta e sexta, deixando pras crianças [no sábado] essa parte de, desde cedo, já mostrar de uma forma mais lúdica e colocar conceitos”, comentou.
Para a estudante de Biologia e uma das organizadoras do evento, Júlia Dantas, espaços como o MHN são muito importantes para trazer o conhecimento por meio de brincadeiras, tornando a aprendizagem mais simples.
“Eu penso que o museu é um espaço muito importante, principalmente para o público infantil, pra criar um fascínio pelas ciências em geral, não só a Biologia. No nosso caso, como é Museu de História Natural, a gente puxa mais pra Biologia, Geografia, Geologia e História”, destacou a universitária que também é estagiária do MHN.
A bióloga Gabriela Kuwai participou da organização do evento e avaliou os outros dois dias de atividades, que aconteceram na quinta (7) e sexta (8). “O evento foi muito proveitoso. No primeiro [dia], a gente contou com o professor Sávio Torres, da Universidade da Paraíba, então a gente aproveitou muito bem, ele deu duas palestras e foi ótimo. No segundo, foi o dia do Ignite, um workshop de divulgação científica voltado pra evolução biológica. Já hoje [sábado], as crianças estavam adorando as brincadeiras”, relatou.
De acordo com o diretor do MHN, professor Jorge Luiz Lopes, a interação com o Geseb e outros grupos desta natureza são muito importantes e as atividades são acolhidas, visando ofertar uma programação rica em conhecimento e lazer ao público.
“Essa interação com organizações que pensam em ciência, que fazem ciência e que buscam levar a ciência para o grande público é realmente de vital importância, que é inclusive um dos papéis do museu. Então, se ele tem esse papel, recebe de bom grado instituições que também têm essa finalidade e o Geseb que já vem dando certo há bons anos”, comentou.
Fim de Semana no Museu retorna em março
O evento já foi um aquecimento para o retorno das atividades de um dos eventos mais esperados do MHN: O Fim de Semana no Museu. Com atividades na área de Paleontologia e Geologia, em março, crianças e adultos poderão se divertir e aprender. A data e a programação completa serão divulgadas em breve.



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

MHN integra programação do Dia de Darwin

Evento promovido pelo Grupo de Estudos sobre Evolução Biológica acontece de 7 a 9 de fevereiro

Por: Graziela França- jornalista colaboradora

context/imageCaption
O Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) encerra as atividades do Dia de Darwin, no próximo sábado (9), com atividades recreativas. O evento realizado pelo Grupo de Estudos sobre Evolução Biológica (Geseb) começa nesta quinta-feira (7), no Campus A.C. Simões, da Ufal de Maceió.
Entre as atividades que acontecerão no MHN estão espaços de pintura, cinema com pipoca, caça às borboletas, corrida de marsúpio, batalha das formigas, quiz e telefone sem fio evolutivo. A recreação será das 9h às 12h e das 14h às 16h, na sede do Museu, que fica localizado na Avenida Amazonas, Prado, em frente à Praça da Faculdade.

Dia de Darwin
O objetivo do evento é antecipar as comemorações do aniversário de Charles Robert Darwin, nascido em 12 de fevereiro. O naturalista escreveu A Origem das Espécies, um dos livros que mais influenciou a história da humanidade, abordando a Teoria da Evolução.
Na quinta-feira (7), a programação conta com três palestras, que serão realizadas no auditório da Reitoria da Ufal, das 9h às 17h30. Já na sexta (8), haverá o workshopIgnite Evolution, que trata sobre divulgação científica, na sala 18 do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS). Segue a programação em anexo.
As inscrições são gratuitas para participação na quinta (7). O investimento é de R$ 30 para a atividade da sexta (8), que é o workshop Ignite Evolution. Já para a parte recreativa do sábado (9) não há necessidade de inscrição.
Sobre o Geseb
O Grupo de Estudos sobre Evolução Biológica é um projeto da Universidade Federal de Alagoas criado em 2015, que possui interesse em divulgação científica e também se reúne para discutir sobre temas relacionados a evolução, ciência e filosofia da ciência.


segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Noite do Malassombro: MHN realiza Halloween regionalizado

Atividades são gratuitas, interativas, recreativas e com uma abordagem diferente
Por: Graziela França- jornalista colaboradora
 Diversão, terror, conhecimento e muitas atividades farão parte da 3ª edição do Halloween do Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Com o tema Noite do Malassombro, o evento acontecerá nesta quarta-feira (31), data em que é comemorado o Dia das Bruxas, a partir das 18h, na sede do museu. 

Oficinas, exposições, filmes, mostras interativas, atividades recreativas, atrações culturais, entre outras atividades integram a programação. Além disso, haverá concurso de fantasia, onde serão eleitos dois participantes melhor caracterizados, nas categorias adulto e infantil. A música ficará por conta da banda Gigavoltz e do cantor Wyron Roberth. 
Na Noite do Malassombro serão abordadas lendas alagoanas, personagens folclóricos, conhecimento e a preservação da biodiversidade, com o intuito de promover uma conscientização dos participantes e fazer com que haja uma identificação com a cultura local.  
“O objetivo é atrair o público para que eles desfrutem de uma noite de conhecimento científico e cultural por meio de uma festa temática. Neste caso, nós buscamos não só as figuras clássicas do Halloween, como também as figuras do folclore brasileiro. Esses personagens são muitas vezes guardiões da natureza e não vilões. Então procuramos os vilões, que são aqueles que nós, seres humanos, criamos, como o lixo, o esgoto, a caça e pesca predatória e o desrespeito à natureza para retratar no evento, destacou o diretor do MHN, Jorge Luiz Lopes. 
O Halloween do MHN é uma ação promovida pelos servidores, bolsistas e colaboradores do museu e é uma alternativa gratuita para aqueles que procuram uma noite assustadora, divertida e regionalizada para comemorar a data. Para entrar no clima do evento, basta escolher a fantasia e participar, na Av. Amazonas, Prado (Praça da Faculdade). As atividades são voltadas para o público de todas as idades. 
Serviço 
3º Halloween no MHN: Noite do Malassombro 
Dia: 31 de outubro 
Horário: 18h às 22h 
Local: Museu de História Natural (Av. Amazonas, Prado


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Museu de História Natural integra programação de evento nacional

Primavera dos Museus é comemorada em todo país em alusão à chegada da estação
Por: Graziela França- jornalista colaboradora
Com a chegada da estação mais florida do ano acontece a 12ª Primavera dos Museus. E o Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) participa do evento, com atividades para o público interno e externo, nesta quinta-feira (20), na sede do MHN.
Este ano, realizado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), com o tema Celebrando a Educação em Museus, o evento busca trazer discussões sobre o assunto e inspirar atividades nos equipamentos culturais de todo o país.
“É um dos eventos anuais mais importantes para os museus brasileiros. E este ano serve para discutir questões importantes sobre a Política Nacional de Educação Museal que teve seu texto aprovado recentemente, e a divulgação do caderno. Reforça o potencial educativo dos museus e a importância de estruturar ações educativas para diferentes públicos”, destacou a museóloga do MHN, Cíntia Rodrigues.
Na programação, mesa-redonda, debate e um painel voltado para discutir a temática desta edição, que é gratuita e aberta ao público de todas as idades, a partir das 14h.
Confira a programação no anexo.
Serviço:
O quê: Primavera dos Museus
Quando: 20 de setembro
Horário: A partir das 14h
Local: Av. Amazonas, Prado (Praça da Faculdade)

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Primavera invade a 21ª edição do Fim de Semana no Museu



Evento acontece neste sábado (15) e domingo (16), das 9h às 17h
Por: Graziela França- jornalista colaboradora

Setembro é o mês em que inicia a primavera, conhecida como a estação das flores. Por isso, a 21ª edição do Fim de Semana no Museu trará atividades voltadas à conservação do meio ambiente e também do setor de botânica. O evento será neste sábado (15) e domingo (16), das 9h às 17h, na sede do MHN.
Na programação, atrações voltadas ao público adulto, como oficinas de cactos e plantas suculentas. Para as crianças, algumas das atividades abordam a análise de flores e uma busca por determinada planta no Jardim do MHN, como um desafio de detetives.
A professora Letícia Ribes, responsável pelo setor no MHN, destacou a recepção do público ao Fim de Semana no Museu, que já está em seu segundo ano.
"O evento já entrou para o calendário da população e muitas pessoas esperam para participar. Para mim, é uma atividade de extensão extremamente benéfica tanto para a comunidade quanto para os funcionários do MHN que se dedicam e pensam no melhor que podem fazer para levar informação científica de qualidade para os visitantes", destacou.
De acordo com Carlos Correia, biólogo do MHN e um dos organizadores, o evento permite que as pessoas conheçam o que está sendo produzido no museu. “A importância é socializar conhecimentos sobre história natural com a comunidade e aproximar as práticas realizadas no âmbito do MHN das pessoas”, ressaltou.
As atividades, gratuitas e para todas as idades, são das 9h às 17h.
Confira a programação no anexo.
Serviço:
O quê: 21° Fim de Semana no Museu
Quando: 15 e 16 de setembro
Horário: das 9h às 17h
Local: Av. Amazonas, Prado (Praça da Faculdade)

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Estagiários destacam contribuição do MHN na vida acadêmica e profissional



O Museu de História Natural é um equipamento fundamental para a realização de atividades acadêmicas
Por: Graziela França – jornalista colaboradora 
A paixão pela natureza, animais, interesse em conservação e a curiosidade são alguns dos motivos que fazem estudantes escolherem a Biologia como futura profissão. Em alusão ao Dia do Biólogo, comemorado nesta segunda-feira (3), o Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) destaca a importância e contribuição desses alunos no desenvolvimento da instituição.

Decisão de infância
Cursando o 7º período de bacharelado em Ciências Biológicas, Julia Dantas, estagiária do setor de mastozoologia (mamíferos) do MHN, conta que a sua escolha em seguir esta área aconteceu cedo. “Aos 10 anos de idade eu já tinha decidido que ia ser bióloga. Na época eu nem sabia o que era realmente a Biologia, mas eu sempre tive um grande interesse sobre a natureza, as perguntas, a investigação, a descoberta”, disse a estudante.
Ela falou ainda que estar no MHN é desafiador pelas importantes atividades que ele desempenha e às diferentes pessoas que atende. “A gente tem que se adequar ao público, cativar cada um com suas especificidades. A gente não fala com uma turma do ensino fundamental da mesma forma que fala pra um adulto, assim como não fala com uma pessoa que tem ensino superior da mesma forma que fala com outra que só estudou até o ensino básico. Esse é o bacana de trabalhar no Museu, todo dia é um novo público e todo dia uma nova forma de passar aquele mesmo conteúdo”.
Ou após o vestibular
Para a xará, Júlia Vieira, do setor de Paleontologia, a decisão pelo curso não veio tão cedo, mas antes mesmo do resultado do vestibular ela já gostava da ideia de cursar Biologia. A estudante enxerga a importância da instituição principalmente no que diz respeito em aliar à produção científica com o contato com a sociedade. “Desde 2015 venho, não só estagiando, mas também fazendo parte ativamente das atividades do museu, desde a mediação cotidiana até os eventos de grande público (Fim de Semana no Museu e Halloween, por exemplo) e posso dizer que é muito prazeroso compartilhar conhecimento, ainda mais tendo a chance de aprimorar cada vez mais habilidades como saber informar e também ouvir, dar atenção”, destacou.
Paixão por animais...
Também atuando no setor de mamíferos (mastozoologia), a estudante de licenciatura, Joyce de Lima, estagia no MHN desde 2016. “Eu sempre gostei de animais, e sabia que queria trabalhar com algo que os relacionasse. Minha ideia inicialmente era cursar Medicina veterinária, mas o destino acabou me movendo para a Biologia, na qual acabei me apaixonando”.
No MHN ela destaca as atividades como o Fim de Semana no Museu, mas também vê muita importância em outras ações desenvolvidas. “Além das pesquisas na área de ecologia com os pequenos mamíferos, que é de fundamental importância para o seu entendimento e conservação, outros projetos relacionados a Educação Ambiental, com crianças, são de extrema importância para aproximar a sociedade desses seres vivos e consequentemente estimular a consciência de preservação ambiental, desde cedo”, pontua a estudante.
E pela conservação da natureza
O estagiário do setor de Botânica, Agberto Ferreira, está no MHN há pouco mais de um mês, mas já vê na instituição a oportunidade de colocar em prática o que é aprendido em sala de aula. “O MHN também serve para exercitar o que aprendi, contextualizando com o público, transmitindo e emocionando as pessoas que visita as salas de exposição. A monitoria está sendo muito gratificante, por estou vencendo a minha timidez com o público que nos visita”.
Agberto escolheu a Biologia foi por seu interesse em temas ligados à natureza. “É algo que gosto muito, onde se trabalha a preservação da natureza, com o uso correto dos recursos naturais, fazendo entender a vida em um contexto geral, abrindo os olhos para o nosso eu verdadeiro no universo”, frisa.
Experiências de laboratório e de campo
Mércia Araújo é estudante do 4º período de Biologia e atua nos setores de Paleontologia e Arqueologia do MHN há 8 meses. “Sempre gostei de ciências e de biologia, entrei no curso com o objetivo de ser bióloga forense. O trabalho que o biólogo faz e como isso é traspassado para o mundo, me fez ser apaixonada pela profissão”,  afirma.
Ela destaca ainda importância do museu em várias maneiras de adquirir conhecimento. “É de grande valia para mim, pois proporciona experiências únicas em campo, nos laboratórios, com o público. Gosto muito de estar nos laboratórios de modo geral”.
De estagiário a diretor do MHN
O professor Jorge Luiz Lopes, também é formado em Ciências Biológicas pela Ufal. Mas, as semelhanças com os outros estudantes do MHN não são apenas estas. O atual diretor do MHN e responsável pelo setor de Paleontologia foi um dos estudantes que auxiliaram na fundação do museu em 1991. “Durante o meu curso de graduação na Ufal eu também fui estagiário do Museu, sinto muito orgulho em fazer parte da equipe que fundou o MHN. Fiquei como estagiário durante muitos anos e isso me levou a um melhor conhecimento na área que eu trabalhava na época, que era a herpetologia, me trouxe um amadurecimento muito grande sobre o que é pesquisa. Depois voltei como pesquisador voluntário ao museu e agora como efetivo dentro da Ufal”, relata.
O diretor do MHN classifica a atuação dos estudantes dentro da instituição como vital e enfatiza o crescimento profissional que eles adquirem enquanto contribuem. “Os alunos de Biologia no museu são de grande importância. Aqui eles podem desenvolver pesquisas nas áreas que o museu tem especialidades, eles fazem trabalho de extensão, e hoje um dos melhores modelos de extensão da universidade é o que o Museu de História Natural vem praticando. Além disso, eles também contribuem com a recepção ao público”, concluiu o professor Jorge Lopes.