domingo, 3 de setembro de 2017

Dia do Biólogo: profissionais atuam em diversos setores dentro do MHN



3 de setembro é a data dedicada aos profissionais que auxiliam no ensino, pesquisa e extensão do Museu
Graziela França-estudante de Jornalismo
Eles estudam a fauna, a flora, atuam na preservação do meio ambiente, desenvolvem pesquisas,  entre tantas outras atividades que envolvem a Biologia. No domingo, dia 3 de setembro, é comemorado o dia desses profissionais que podem atuar em uma área tão ampla, o biólogo.
Durante os 27 anos do Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) muitos desses profissionais passaram pelos laboratórios e exposições da Instituição. Conheça a história de alguns dos biólogos que compõem o quadro de colaboradores do MHN, auxiliando na parte de ensino, pesquisa e extensão, seja em cargos técnicos ou de docência, além dos estagiários e colaboradores da área.
Paixão de criança
O professor Jorge Luiz Lopes, diretor do MHN é um dos maiores paleontólogos do país. Ele conta que sua escolha pela Biologia surgiu devido à sua paixão pelo ambiente natural e seus organismos, assim como a paleontologia que também é uma área com a qual se identificava desde criança.
“Mesmo sendo paleontólogo, eu nunca vou deixar de ser biólogo pelo fato de ser graduado em Biologia. E como paleontólogo eu preciso o tempo inteiro entender da vida, conhecer os organismos  do presente para poder compreender os organismos do passado. A relação entre elas é total e são duas áreas que eu sou totalmente apaixonado”, enfatizou.
A história do atual diretor com o MHN é antiga. Atuou antes mesmo da fundação oficial do Museu, ainda em sua montagem. O primeiro setor no qual estagiou foi o de herpetologia. Em 2001 passou a atuar como profissional voluntário e em 2008 como efetivo. O setor de Paleontologia, do qual também é responsável possui um acervo de mais de 10 mil peças tombadas, fósseis de todos os tipos, locais e Eras. "O MHN tem grande importância para mim, porque é onde desenvolvo minhas atividades de pesquisa e extensão", frisou.
A serpente amiga Gildete
A responsável pelo setor de Herpetologia (que estuda anfíbios e répteis), Selma Torquato disse que sempre gostou de bichos e plantas, e isso fez com que escolhesse a profissão. No museu desde o ano em que se formou, descobriu lá dentro o interesse pela área de herpetologia. “O MHN me proporcionou oportunidades de conhecer áreas diferentes da Biologia e ter contatos com vários profissionais e alunos que compartilharam muitos conhecimentos e experiências”, contou.
Uma das histórias relembradas por Selma é do tempo em que atuava como monitora de exposição, “Guardo na memória a época em que tínhamos uma serpente salamanta, Gildete, que foi criada desde pequena conosco e era muito dócil e sempre provocava uma espécie de ‘encantamento’ no público infantil. Seus olhos brilhavam e eles queriam tocar e fazer carinho nela”, contou.
Educação e pesquisa
Pensou em ser jornalista, farmacêutico para, por fim, chegar à Biologia. Essa foi a trajetória do biólogo do setor de Botânica do MHN, Carlos Correia, “A Biologia só se revelou para mim como uma terceira perspectiva profissional. Eu sempre tive interesse por diferentes áreas do conhecimento, acho que a Biologia se colocou como caminho mais atraente para mim, porque a busca por compreender a vida exige uma visão complexa das coisas e o diálogo com diferentes saberes”, comentou.
Para Carlos, que é formado na área de licenciatura, trabalhar no museu é promissor e auxilia em sua formação específica voltada para o campo educacional. “Gosto, sobretudo, das atividades de extensão que temos realizado no contexto do projeto ‘Fim de Semana no Museu’”.
Para Ludmilla, a primeira opção
Já a bióloga Ludmilla Nascimento foi bem mais decidida. “Acho que a biologia me escolheu. Nunca pensei em fazer mais nada na vida”, disse a mastozoóloga, área que estuda os mamíferos. Formada desde 2007, na Universidade Federal de Sergipe (UFS), concluiu o mestrado em zoologia em 2010, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e chegou ao MHN em agosto de 2011.
Apaixonada por pequenos mamíferos, a bióloga conta com um acervo diverso no setor de mastozoologia do MHN, do qual é responsável, “No final da graduação descobri que minha praia eram os mamíferos terrestres e no mestrado me apaixonei pelos pequenos mamíferos, em especial. Não troco meus ratinhos por nada!”
Do campo à sala de aula
Responsável pelo setor de Ornitologia (que estuda aves) do MHN e pelo Laboratório de Morfologia, Sistemática e Ecologia de Aves (LSEA), o professor Renato Gaban-Lima, conta que escolheu a carreira ainda na infância, por possuir afinidade com a natureza. “Durante minha infância e adolescência adorava viajar e explorar locais não urbanizados, e sempre me interessei em observar os animais e as plantas, bem como o modo de vida da população humana que habitava esses locais”, contou o professor.
Gaban é um dos cinco docentes do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS) da Ufal que atuam também no MHN. Ele ainda destacou a importância de unir o trabalho de pesquisa com a docência. “No trabalho que realizamos, as pesquisas são primordiais para minhas atividades de docência, tanto em sala de aula quanto para a formação dos profissionais biólogos que ingressam no Laboratório”, explicou.
Felicidade na profissão
A também professora Letícia Ribes, pensou em atuar em outras áreas antes de chegar à Biologia. “Pensei até mesmo em cursar História, Engenharia, etc., porém percebi que meus professores de Biologia eram extremamente felizes e aí me dei conta que queria ter esse tipo de relação com minha profissão, ou seja, que ela me fizesse feliz acima de tudo”, disse.
Para ela, um dos prazeres em unir a docência à pesquisa e extensão é mostrar as novidades da área aos alunos. "É gratificante quando um aluno diz que não gostava muito de Botânica, mas que agora gosta, que gostou da aula, etc., ou seja, ter um feedback é muito bom, quando positivo é melhor ainda", comentou.
Do estágio à atividade como técnica
A bióloga Gabriela Correia conta que começou no museu em 2004, como bolsista vinculada do setor de herpetologia, mas estudando animais como aranhas e escorpiões, espécies que ainda pesquisa no setor de entomologia (setor que estuda insetos). “O setor desenvolvia, à época, um trabalho na usina cachoeira, e os alunos perceberam uma grande incidência de aranhas e escorpiões nas armadilhas. Foi então que o setor teve a ideia de recrutar estagiários dispostos a coletar e identificar esse material”.
Para Gabriela, o aprendizado no MHN é diário e será levado por toda a vida. “O museu me fez aprender muito sobre disciplina, organização, solidariedade, parceria, responsabilidade. Conheci pessoas que me influenciaram positivamente e que se tornaram exemplos de inspiração e admiração”, completou.