segunda-feira, 30 de abril de 2012

Criado Setor de Mastozoologia

Pedro Barros - estudante de jornalismo

A partir de fevereiro deste ano, o Museu de História Natural passou a contar com um novo setor, dedicado ao estudo e à coleção de mamíferos. O Setor de Mastozoologia (do grego: mastós, “mama”; zoon, “animal”; logos, “estudo”) dedica-se à organização da coleção científica (aberta a pesquisadores) e do acervo didático (aberto ao público, com exemplares para exposição), além das pesquisas na área.

Bióloga Anna Ludmilla na sala do novo setor.
A atual responsável pelo setor é a mastozoóloga Anna Ludmilla da Costa Pinto Nascimento, mestre em Zoologia pela Universidade Federal da Paraíba. Suas pesquisas focam-se nas áreas de ecologia de pequenos mamíferos não-voadores, inventário de mastofauna terrestre e Educação Ambiental.
 
Para a bióloga, a criação do novo setor é importante para o levantamento das espécies de mamíferos terrestres do Estado. "Muito pouco se sabe sobre os mamíferos em Alagoas: quais espécies ocorrem e em quais ambientes; qual o tamanho de suas populações; grau de ameaça local; presença de espécies raras, endêmicas, novas; são algumas das questões que se pretende descobrir", observa Anna Ludmilla.
 
Segundo a mastozoóloga, a pesquisa sobre mamíferos no Estado ainda é escassa. "Sabemos por relatos que Alagoas abriga, por exemplo, o jupará (Potos flavus), um mamífero de médio porte, arborícola, raro e associado a ambientes de floresta densa, como Amazônia e Mata Atlântica. As informações sobre ocorrência de mamíferos de médio e grande porte (como guaxinim, capivara, tamanduá-mirim e veados) que possuímos são oriundas de relatos de moradores, caçadores ou animais capturados pelo Ibama. Com relação aos pequenos mamíferos (roedores e marsupiais), o conhecimento no Estado é mais limitado ainda".

Nenhum comentário:

Postar um comentário